10 de fev de 2011

João brinca de Jonh


João é filho de um amigo do prédio onde moro.

No calorão da tarde de domingo, João se fartava de liberdade na acanhada área de lazer que os moradores compartilham, tudo debaixo dos olhares consentidos da mãe

que trocava confidencias, amenidades com outra mãe cujo filho não sei o nome.

Da varanda de casa ali no sétimo andar, clamando um ventinho e a espera de minha doce mulher aprontando-se para uma sessão de cinema, observo o vai prá lá

e o vem prá cá, João assim vestido de Adão.

O distanciamento necessário e a espontânea alegria do menino me fizeram pegar a máquina fotográfica e fazer o registro.

Pelo visor da câmera, aguardando momento mais incomum, assim como num flash, recordei por instantes o garoto levado que fui brincando por entre as sombras das goiabeiras.

João Marinheiro e arteiro, que dia desses fiquei sabendo, nasceu ariano como eu, o primeiro impulso, a criança do zodíaco.

Na flor da idade, certamente não teve tempo ainda – ao contrário do fotógrafo – de amar os Beatles e sequer imaginar que reproduziu ali naquele momento puro e inocente,

a célebre pose de Lennon ao lado de Yoko, que Annie Leibovitz eternizou para a capa da Rolling Stone.


Silvio Ferreira

Tráfego e Art buyer

4 de fev de 2011

Sobre cama compartilhada, 4 anos depois



Tudo o que importa de verdade está entre essas 4 paredes.


Sim, têm dias que quero meu quarto de volta, apenas para mim e para o Emerson.
Quero uma cama de verdade, alta, com uma colcha bonita, criado mudo, abajur e todo o resto.
Quero um colchão que esteja mais em dia que o nosso, que está mofando pelo contato direto com o chão e não exala mal cheiro, mas já foi vomitado e presenteado com inúuuumeros xixis e cocôs vazados das fraldas.
Têm dias que queria não dormir com duas crianças que se mexem mais do que ponteiros de relógio. Mãos e pés que voam em nós no meio da noite.
Têm dias que quero não ter que sair do quarto para transar.
Mas têm muitos outros dias (como hoje) em que olho ao redor e me sinto TÃO BEM.
João, com 4 anos, dormindo abraçadinho em concha com o Emerson e Helena com 1a2m, de bruços, com o bundão de fralda virado para a lua, ao alcance do meu peito para mamar quando quiser e sem que eu nem precise acordar.
Se alguém se descobrir no meio da noite é só esticar a mão e cobrir.
Se ouvir um zumbido de pernilongo, acendo a luz e o caço antes que eles carimbem meus filhotes.
Tá com sede? Aqui o copinho.
Tem alguém doente? Dorme encostado em mim, para que eu possa sentir na minha pele a evolução da febre.
Nós 4, fechados nesse quarto em que cabem apenas um colchão de casal encostado e um de solteiro e onde dormimos sem lugar fixo, espalhados ou juntinhos, ao gosto dos pequenos.
Se fui muito dura durante o dia, à noite encho-os de beijos enquanto dormem.
E quando estou carente, pulo os caras e me enrolo no Emerson.
Até pouco antes da Helena nascer, João (que sabia que eu não ficava exatamente feliz ao ser acordada às 6h00 da manhã) me acordava com um "-Bom dia mamãe linda" que eu nunca vou esquecer.
Helenoca, até outro dia, enfiava o dedo no meu olho para que eu acordasse, mas agora já ensaia um "-Mamã!!!" super empolgado e feliz ao acordar ao meu lado. Além disso, quando ela acorda muito cedo eu a puxo pro peito e ganho mais uns 15, 30 minutos de sono que não tem preço.
O -"Tchau, já estou saindo, amor", cochichado todas as manhãs pelo Emerson, para não acordar as crianças.
Bonecos de super heróis, livros infantis, apostilas de estudo, óculos e fraldas extras para possíveis vazamentos noturnos se espalham entre nós.
Vez ou outra, especialmente no inverno, ganhamos a companhia dos nossos dois gatos e daí somos 6 nesses dois colchões.
Seguros. Aconchegados.
Amor tem cheiro? Aqui em casa tem.
É o cheiro que sinto em nosso quarto, quando todo mundo já dormiu e eu estou sozinha aqui, pensando, sonhando acordada.
Tudo o que me importa de verdade está entre essas 4 paredes.
Até quando isso vai durar?
Têm dias que nos coloco um prazo para que essa esbórnia termine: 6 meses.
Têm dias que imploro para que dure para sempre.


--
Adriana Guimarães

18 de set de 2010

bailarina + banho em boa companhia (Joãozinho da Ana Clara) + montando no Joca

Hathor, The Cowgodess

Esse é um cartoon que eu adoro e acho que reflete muito o estilo de vida da nossa familia.
Pena que está em inglês, é verdade, mas se gostarem visitem a página original e peçam para o tradutor Google passar para o português!

3 de ago de 2010

Tenho 3 dentinhos!


Como boa parte das mulheres amadureci rapidamente!
Já sei engatinhar rápido como uma ratinha. Fico em pé e tento sair andando, solta, mas obviamente caio, pois ainda não tenho 8 meses e não deu tempo de ter firmeza no corpo para segurar toda essa audácia.
E como se não bastasse, já tenho 3 dentinhos!
Esse look está meio esquisito, mas acho que quando chegarem os outros dentes vai ficar melhor, he, he, he..
Em termos de comunicação, quando estou desesperada para ir para o colo da minha mãe arrisco um mã, mã, mã, e minha avó jura que chamo meu irmão de Di, Di, Di.
Adoro uma brincadeira boba que envolva me sacudir um pouquinho, beijar meu corpinho de sopetão e me dar sustos. Sem dúvidas, nisso não puxei minha mãe!
Em compensação sou lombriguenta como minha mãe e meu irmão e quero comer tuuuudo que vejo os outros comendo. Ando com um apetite de leão!
Já almoço, janto e como lanches nos intervalos. Tudo isso além da leite materno em livre demanda.
É por isso que estou tão linda e saudável!
E é só por isso que estou conseguindo sobreviver (quase) intacta à intensidade do meu irmão, que para mim (e para os nossos gatos), parece um labrador desenfreado!

NOVAS FOTOS PELO MUNDO








NOVAS FOTOS PELO MUNDO





10 de jul de 2010

“(Quase) Tudo o que você precisa saber sobre as fraldas de pano - quantas preciso? como lavar? onde comprar?“

(texto atualizado em set/2010)
Não contém dados sobre a questão ambiental/ ecológica **

De tanto ter que escrever textinhos soltos para falar sobre fraldas de pano para amigas e conhecidas interessadas no esquema decidi escrever esse mini-manual que segue abaixo.

Trata-se de uma lista do quê considero ser o essencial para se usar fraldas de pano, desde o nascimento do bebê até o desfralde, comentários, dicas para compras e explicações, além de instruções de lavagem.

Lembrando que essa é apenas a MINHA receita. Cada mãe tem a sua própria receita ou usa a receita de outra(s) mãe(s) mais experiente(s) e vai ajustando tudo isso à realidade da sua casa e bebê, com o tempo.

Recém nascido até 2 meses, a depender do tamanho do bebê:


3 capas importadas super whisper wrap TAMANHO P - (45 dólares/por 3 unidades) - http://nickisdiapers.com/catalog.php?category=60
6 calças plásticas nacionais, marca CHUMBINHO tamanho 1 (24 reais)
6 calças plásticas nacionais marca CHUMBINHO tamanho 2 (24 reais)
3 caixas (com 5 fraldas cada) de fraldas Cremer LUXO COM BAINHA (45 reais)

Investimento total: cerca de 200 reais


Explicação: é legal usar fraldas Cremer e calças plásticas e/ou capas importadas porque: 1) as fraldas importadas tamanho único (a seguir indicarei  minhas marcas favoritas) ficam meio volumosas em recém nascidos. Tem muita gente que usa mesmo assim, mas vai que o seu bebê é dos menorzinhos. Com a Helena eu não consegui usar tamanhos únicos até 2 meses e meio. 2) no primeiro mês ou até o 2o mês é legal usar Cremer, porque o cocô deles é muito "atômico" e mancha tudo e também porque você vai estar mais em casa, mais à disposição para trocá-la e prestar atenção no ritmo que o corpinho dela funciona, então não tem erro usar fraldas que vazam mais rápido.

Dos 2 meses até o desfralde:


* 12 (ou 18) Bumgenius (pocket one size) tamanho único - http://nickisdiapers.com/catalog.php?category=91 (se tiver uma graninha a mais seria legal ter fraldas para 3 dias, o que significaria 18 fraldas, mas dá para se virar com 12. Você pagará atualmente 88 dólares pelo “pacote” promocional dos sites que recomendei abaixo, em que 6 fraldas são vendidas pelo preço de 5.

* 4 calças plásticas nacionais CHUMBINHO, modelo tanga, para cada um dos seguintes tamanhos 3, 4, 5 - para usar com as mesmas Cremer acima. 48 reais (cerca de 4 reais cada calça plástica)

Investimento total: 350 reais




**Claro que se você for uma super “rata de internet” e falar inglês e tiver uma conta no paypal pode ainda comprar fraldas semi-novas (ligeiramente usadas, seria mais o termo) nos fóruns de fraldas de pano estadunidenses e no E-bay, onde também é possível adquirir “pacotões” de fraldas chinesas por um preço supimpa.”

Sabão para lavá-las:


1) Sabão de côco em pedra marca UFE (para tirar o grosso do côco antes de colocar de molho e eventualmente para quarar).

e
2) Qualquer sabão de côco líquido desses de lavar roupa delicada (o único problemas é que são bem caros)

ou
3) Sabão de côco líquido vendido em caminhões à granel.
ou

4) Ou qualquer outro sabão de côco ou neutro

1 balde com tampa para deixá-las de molho até o momento de lavá-las (a tampa é por causa de cheirinho que vai acumulando em dois dias de estocagem de fraldas sujas). Se você estiver usando recheios de fralda de microfibra (e não cremer), como é o caso das importadas, o melhor é não colocar de molho e sim simplesmente guardá-las no balde tirando antes o excesso de côco. Isso, por incrívelque pareça, faz com que as fraldas não fiquem fedidas com o passar do tempo.

Porque usar fraldas de pano importadas se já tem gente no Brasil fabricando fraldas lindíssimas?

Bem, eu mesma comprei 6 fraldas tipo pocket (que usam recheio dentro) das nacionais, assim que a Helena nasceu, mas para mim elas não funcionaram. Vazavam em cerca de 30 ou 40 minutos. É verdade que elas não eram o modelo mais recente da produtora em questão e tenho certeza que as colegas produtoras das demais marcas de fraldas nacionais estão empenhadíssimas na produção de soluções eficientes (ouvi coisas muito legais sobre as fraldas produzidas pelo pessoal da Morada da Floresta e da Lilith, além dos novos recheios e capas da Betina, da Fralda Bonita e da Fralda Madrinha). Por isso, ainda estou aguardando as novas fornadas de produção das nacionais e posteriores comentários das mães que as estão experimentando, para recomendar com tranqüilidade.
O que vim a descobrir depois é que as fraldas nacionais ainda não contam com a expertise que o pessoal que já produz fraldas há uns bons anos fora do Brasil conta (por exemplo não adicionar ribanas de algodão nas perninhas das fraldas, porque o algodão desta ribaninha conduz a umidade para a parte de fora da fralda e consequentemente para a roupa do bebê), e o mais importante: elas não contam com um tecido plástico que não se encontra no Brasil chamado PUL, que recobre a parte interna das nacionais e evita os vazamentos. Nos países acostumados a usar fraldas de panos, a tecnologia empregada nas fraldas está à frente da nossa e eles contam com tecidos fantásticos para os recheios e capas das fraldas como o hemp, o microterry e o bambou. Assim, pelo menos por enquanto a minha solução tem sido as importadas e o básico testado e aprovado que é a Cremer com calça plástica tipo tanga da Chumbinho (essas últimas chegam a segurar o xixi por duas horas e  até mais dependendo da idade do bebê e da fase em que ele se encontra).
MAS, Mas... com o passar do tempo, começamos a sair mais de casa, o bebê normalmente passa a dormir mais horas seguidas e nós começamos a desejar soluções para não interromper o soninho deles (e o nosso, conseqüentemente).
Durante o tempo em que eu não tinha fraldas importadas usei descartáveis para dormir, mas agora as minhas fraldas de pano importadas seguram mais do que as descartáveis, então isso acabou.
Como disse, a médio e longo prazo, se as fraldas de pano não se mostram eficientes acabamos desistindo, então acredito que valha a pena investir financeiramente em alternativas que realmente funcionem.
Assim, após os 2 meses de idade, quando já dá para usar as fraldas tamanho único que vão crescendo com o bebê (elas têm uns botões e a gente vai desabotoando conforme a necessidade de ajuste), a minha receita seria usar a marca de fralda importada Bumgenius (ou similares com o mesmo preço como as Fuzzi Bunz ou Happy Heinys) e quando estiver muito frio e não estiverem secando à tempo ou se não estiver dando tempo de lavá-las com freqüência, intercalar as Bumgenius com Cremer + calças plásticas para ficar em casa. Elas secam super rápido e são baratinhas, então são uma boa solução.
** Para as meninas que estão querendo apoiar a indústria nacional deixo abaixo os links das produtoras de fraldas que eu conheço. Uma boa idéia seria encomendar uma fralda de cada uma delas e testar:

Lilith: http://lojalilith.blogspot.com/2009/03/nossa-primeira-fralda-de-pano.html
Fralda Bonita (conhecida como "Fraldas da Bettina") http://www.fraldabonita.com.br/
Fralda Madrinha - http://fraldamadrinha.wordpress.com/
Morada da Floresta - http://www.moradadafloresta.org.br/


As lojas americanas que têm se mostrado mais amigáveis com as compradoras brasileiras são:


http://www.cottonbabies.com/index.php

http://nickisdiapers.com/catalog.php?category=2

http://www.justkidsstore.com/

http://www.thanksmama.com/

http://www.jilliansdrawers.com/

Em sites internacionais você deve sempre tentar encomendar fraldas em valores que não superem os 50 dólares/compra, ou negociar que as encomendas venham em pacotes cujo valor (já incluído o frete) não supere os 50 dólares para que não seja taxado pela alfândega quando chegar por aqui. Outra coisa que ajuda muito é pedir que eles façam o pacote e declarem nos correio que trata-se de um presente (gift), pois esta é um outra maneira de evitar a taxação.
Mas, se vocês seguirem estes conselhos, é quase garantido que não haja taxação, pois todas na lista tem feito assim e dado certo, salvo um ou outro caso isolado.

Mas a melor maneira mesmo é aproveitar as viagens de amigos que se disponham a trazer as fraldas, porque vc pode comprar e mandar entregar no hotel da pessoa e economizar o frete para o Brasil e evitar a possibilidade de ser taxada na alfândega. Além do quê, normalmente em compras acima de 60$ o frete doméstico nos USA é grátis.

Resumindo, trata-se de um investimento TOTAL de cerca de 550 reais em fraldas para serem usadas por cerca de 2 anos e possivelmente revendidas (as minhas eu já comprei algumas usadas e já vendi também. É uma prática super comum mundo afora).
Também é possível participar de e-grupos na internet e trocar fraldas de um tamanho por outros tamanhos, com mães que têm bebês em idades diferentes dos seus.
550 reais seriam suficientes para financiar apenas 4 meses de fraldas descartáveis.
Se você usar fraldas descartáveis gastará no mínimo algo como 4.500,00 reais, ao longo de 2 anos e meio.
Além do argumento maior que é o descarte absurdo de lixo no meio ambiente.
Sempre que der um tempinho acompanhe as discussões na lista “fraldas de pano”.
É bem interessante e elucidativo e sempre tem dicas de limpeza, compra e venda, modelos mais interessantes e outras coisas relacionadas ao tema.

Instruções para lavá-las:


1) Tirar o "grosso" do côco no tanque, esfregando à mão ou com uma escovinha. Se for xixi, pode jogar no balde com água e um tiquinho de sabão diretamente.
2) Jogar em um balde com água com um tiquinho de sabão neutro (fraldas de algodão ou tecidos naturais) ou jogar em um balde seco, com tampa, no caso de fraldas de tecidos sintéticos.
3) Acumular até ter um número bom de fraldas para encher uma máquina de fraldas ou, caso deseje lavar com o resto das roupinhas do bebê, colocar primeiramente as fraldas sozinhas na máquina e selecionar "centrifugar" para tirar a água mais suja. Depois acrescentar as roupinhas e proceder normalmente. Pode ficar tranqüila que as roupinhas não vão ficar cheirando a xixi ou cocô. ;-)

4) Se for lavar somente as fraldas proceda como explicado acima e continue a lavagem normalmente sem as roupinhas de bebê. Use POUCO sabão (1/3 do normal), ou com o tempo as fraldas passam a absorver menos e ficam com cheiro de amoníaco.

5) Tirar e estender.

6) Se alguma tiver ficado manchado, quarar (esfregar com sabão de côco e colocar no sol ou claridade) ou ferver.

7) Nunca passe à ferro. O calor queima as fibras das fraldas e com o tempo elas deixam de absorver.

Ou seja, siiimmmmmmmmples. Mas simples mesmo.
O povo (em especial nossa mães, tias, sogras e avós) adora colocar empecilho para o uso da fralda de pano. Como se fossem eles os responsáveis por virem até a nossa casa lavar as fraldas... vai entender!

Por isso recomendo não comentar grandes coisas até cerca de um mês após o início do uso das fraldas.

Ou então, sugiro o “básicão da língua afiada da mãe alternativa”, muito usado aqui em casa: “é você que vai lavar?”

Fiquem à vontade para replicarem este texto onde desejarem.



Boa sorte e um abraço.



Adriana Guimarães (aquela que não tem tempo nem para tirar a sobrancelha ou secar o cabelo, mas fica escrevendo este textos sobre fraldas de pano, sabe lá Deus porquê!)